4 de mar de 2006

Vale a pena ser cristão

O cristianismo, ao longo de sua história, tem enfrentado ataques de todas as trincheiras. Nesses últimos tempos, tem sido alvo de deturpações dentro do seu próprio arraial. A verdadeira espiritualidade tem sido confundida com a prosperidade material. O ter tem sido posto em relevo em detrimento do ser. Apesar de tudo isso, elenco, a seguir, algumas das razões pelas quais considero continuar valendo a pena acreditar no cristianismo.
Ainda como nos velhos tempos, diversas pessoas, em diferentes partes do mundo, experimentam o milagre do novo nascimento. Apesar da hipocrisia de muitos, vidas ainda estão sendo transformadas pelo poder de Deus. Essas pessoas, da mesma forma que o apóstolo Paulo, estão tendo um encontro profundo e pessoal com Jesus Cristo, encontro este que tem resultado em uma busca constante pela santificação e por viver em novidade de vida.
As palavras de Cristo e o testemunho da Bíblia Sagrada continuam tão atuais como o jornal de hoje. O evangelho de Jesus não é apenas bom, ele é verdadeiro. Sua mensagem é singular e verdadeira porque Ele é o Verbo que se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade. Enquanto Deus encarnado, ele se identifica, como nenhum outro, com as necessidades reais da existência humana. Nele, as Escrituras do Antigo Testamento se cumprem. Somente por causa dele podemos nos aproximar de Deus chamando-o de “meu Pai”.
O sacrifício vicário de Jesus na cruz do calvário continua sendo a razão do perdão dos nossos pecados. Cristo experimentou a vergonha da cruz por causa das nossas transgressões. Na cruz, Ele revelou o caráter amoroso de Deus. Ali, Deus manifestou clara e publicamente a sua justiça e amor para conosco. Mais do que isso, Deus, em Jesus, experimentou a realidade da dor. Assim, em um mundo de tanto sofrimento, cremos em um Deus que sabe o que é a dor.
O pecado, conforme exposto na Bíblia, é uma realidade radical. Em uma época em que os livros de auto-ajuda estão na moda, inclusive entre os cristãos, proclamando os lados positivos do ser humano, o evangelho ressalta a natureza pecaminosa da humanidade, pondo em destaque a sua depravação. Como o próprio Jesus afirmou, o homem é mal. O seu coração não regenerado está repleto de más intenções. Não sei porque alguns tentam negar o pecado se ele está presente nos jornais de todos os locais e todos os dias. A escolha da democracia como forma de governo pressupõe a existência da natureza corrupta dos seres humanos.
Mesmo assim, nem tudo está perdido. O mais interessante no cristianismo é que apesar dos nossos pecados, Deus, paradoxalmente, nos ama e nos proporciona a liberdade em Jesus Cristo. Ele nos amou de maneira tal que providenciou um escape. Quando cremos no sacrifício de Jesus na cruz do calvário, somos salvos dos nossos pecados. A liberdade que Cristo dá nos conduz a viver sob o jugo do amor, a Deus primeiramente, e ao próximo como a nós mesmos. Vivendo nesse amor, podemos ter a esperança de um futuro glorioso na eternidade.
Essas são algumas principais, entre muitas outras razões, pelas quais vale a pena crer no cristianismo. Em meio a uma época em que as doutrinas verdadeiramente cristãs sofrem ameaças de todos os lados pelo secularismo, é valido reafirmar as nossas crenças, pondo como base o evangelho de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Certa vez, um missionário cristão chegou a um país e foi indagado por certo homem daquele local a razão de sua viagem missionária. Ele questionava a existência de tanta hipocrisia e injustiça em países ditos cristãos. O missionário sabiamente respondeu que estava ali não para falar do seu país, nem dos seus costumes, mas exclusivamente de Cristo e desafiou aquele homem a encontrar algo que maculasse a integridade de Cristo. O homem baixou a cabeça e nada respondeu.
A fé cristã genuína é muito mais do que um conjunto de regras a serem seguidas. É um relacionamento profundo e contínuo com uma pessoa: Jesus Cristo. Por isso, vale a pena não só crer no cristianismo, mas, principalmente, ser cristão.